Deputada comemora casa própria para mais 860 famílias, em Salvador, e destaca ataques de Temer à habitação popular no Brasil

Deputada comemora casa própria para mais 860 famílias, em Salvador, e destaca ataques de Temer à habitação popular no Brasil

Mais de 3.400 pessoas realizaram o sonho da casa própria, nesta quarta-feira (21), quando o governador Rui Costa assinou contratos com 860 famílias do Residencial das Margaridas, no bairro Jardim das Margaridas, em Salvador. São 94 prédios de cinco pavimentos, construídos através do Programa Minha Casa, Minha Vida.

Os apartamentos contam com dois quartos, área de circulação, sala, banheiro, cozinha e área de serviço, com piso cerâmico em todos os ambientes.

No empreendimento, foram investidos R$ 126 milhões, sendo R$ 120 milhões do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR) e R$ 6 milhões do Governo do Estado.

"Espero que o Brasil volte a contratar mais imóveis e que o Estado da Bahia possa ajudar a Caixa na viabilização de novos projetos", comentou o governador Rui Costa ao destacar os papéis de Lula e Dilma para que milhões de brasileiros pudessem ser beneficiados através desse programa e para que a Bahia fosse o estado que mais contratou, executou e entregou unidades do MCMV nos últimos anos.

Para a deputada Maria del Carmen, “apesar da alegria de hoje, é triste ver que um programa com a importância do Minha Casa, Minha Vida, que mudou a realidade e realizou o sonho de tantos brasileiros, está sendo desmontado pelo governo golpista de Temer, que não destinou um centavo em 2018 para o MCMV, prestando um grande desserviço à população brasileira”.

Lembrando que, antes de Lula e Dilma, não havia programa habitacional, no país, voltado principalmente à população de baixa renda, inclusive para pessoas em situação de rua, Rita Sebadelhe, coordenadora da Frente de Luta por Moradia, frisou que “essas famílias contempladas, hoje, são oriundas de ocupação, muitas cadastradas desde 2011, que resistiram todos esses anos. Neste processo, a deputada Maria del Carmen sempre esteve ao lado dos movimento de luta por moradia”.

O residencial conta com uma área de dois mil metros quadrados, composta por 16 boxes comerciais, a ser utilizado como centro público de economia favorecendo a geração de emprego e renda aos moradores; uma unidade escolar com 16 salas de aula; unidade de atendimentos básico em saúde, espaços para lazer e centro comunitário.